Sinte - Regional de Joinville

Sinte - Regional de Joinville

quinta-feira, 28 de junho de 2012

SINTE/SC recebe mais uma denúncia de perseguição a professores

Três professores lotados na EEB Guilherme André Dalri, no município de Salete, enviaram documento ao SINTE/SC denunciando perseguições por parte da GERED Taió, que resolveu dar faltas injustificadas e retroativas a eles, por conta do não cumprimento da hora-atividade. A Gerência enviou ofício a Secretaria de Estado de Educação solicitando o desconto na folha de pagamento dos profissionais. Dois professores receberam 4 faltas cada, e o outro 9 faltas.

Eles relatam que o gerente, de forma autoritária, já vinha ameaçando os professores da escola que não cumprissem rigorosamente as orientações por ele repassadas, quanto ao cumprimento da hora-atividade. Além disso, houve a implantação de um livro ponto específico para a hora-atividade, e outro para as horas normais de trabalho. O fato de a escola ter dois livros para o registro de ponto se configura numa prática ilegal, não prevista no estatuto do magistério.

Contudo, os professores contam que no início do ano letivo, muitos não anotavam as horas-atividades neste livro, mas cumpriam sua carga horária determinada em contrato, então, por determinação do Gerente, uma equipe da GERED veio à escola e realizou uma auditoria, na qual tiraram cópias do livro ponto das horas-atividades e somente deste livro, porque já tinham denúncia desses três professores em especial, sendo analisado pela GERED somente o caso deles, esquecendo os demais professores que também não assinavam o tal livro. Para o SINTE esta é uma clara demonstração de ASSÉDIO MORAL.

Quanto ao cumprimento das horas-atividades vale ressaltar que, de acordo com o estabelecido pela Lei Complementar 1.139/1992, em seu Art. 5º, § 6º, é permitido aos professores o não cumprimento dos períodos de hora atividade na escola, se esta não apresentar condições, o que se verifica na unidade escolar em questão. Nesse caso, o profissional poderá cumprir estas horas em suas casas.

Segundo os professores a escola, assim como a maioria da rede pública estadual não oferece espaço, nem condições para a realização de planejamento, já que conta com apenas um sala de professores, onde transita funcionários, alunos e serventes, sendo impossível a construção de algum tipo de plano de aula.

O SINTE/SC afirma que já está tomando as providências administrativas e jurídicas necessárias, e enviou Ofício de nº 155/2012 para Lúcia Steinheuser Gorges, Diretora de Gestão de Pessoas/DIGP/SED, para que interceda junto a Gerencia de Educação de Taió, e que não sejam implantadas as faltas dos referidos professores, bem como, reveja os procedimentos arbitrários que estão sendo adotados na referida Gerencia.

ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC
impresa@sinte-sc.org.br
9178-9026

Esclarecimentos sobre descontos na folha de junho

No dia 21/06, o SINTE/SC recebeu diversas ligações de trabalhadores (as) da educação de todo Estado, afirmando que, ao acessarem suas folhas de pagamento online, perceberam o desconto de todo o restante dos dias paralisados por conta da última greve.

Sendo assim, o sindicato procurou averiguar a situação junto ao Governo do Estado, e descobriu que foram casos isolados, e que a prática não foi usada para toda a categoria. De acordo com Décio Vargas, Coordenador do CONER, aconteceu um erro no sistema, e que está mantida a posição do Governo em realizar os descontos em três parcelas. Ele disse ainda, que o erro será corrigido, já que a folha foi rodada, mas o pagamento ainda não saiu.

Para que o problema seja corrigido o mais rápido possível, o SINTE comunica às Regionais, bem como, a toda categoria, para que cada trabalhador (a) que perceba esses descontos indevidos em suas folhas, entre imediatamente em contato com a Secretaria de Estado de Educação, no Setor de Gestão de Pessoal, para que a folha seja revista.

Também pedimos que nos enviem o nome e a matrícula dos professores que tiveram o desconto de mais de 6 faltas na folha de junho, para que possamos cobrar do Governo a resolução destes problemas ainda no pagamento de junho.

Entrar em contato com:
DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS SED
Diretora de Gestão de Pessoas/DIGP
Lúcia Steinheuser Gorges
Telefone: (48) 3221-6038
E-mail: assessoriadidh@sed.sc.gov.br


ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC
impresa@sinte-sc.org.br
9178-9026

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Julgamento no STF sobre o piso do magistério é adiado

Ficou para a próxima semana o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal do mérito dos embargos de declaração apresentados pelos governadores derrotados na ADI 4.167. A análise da matéria estava na pauta da corte no último dia 21. Mas, devido à falta de tempo, os ministros não chegaram a discutir os processos. A conclusão desse julgamento significará o transito em julgado da decisão do STF sobre o piso do magistério, não sendo mais cabíveis quaisquer outros recursos.

Vale destacar que o julgamento do mérito da ADIn 4.167, em abril de 2011, marcou a vigência integral da Lei 11.738. Desde então, estados e municípios não podem se eximir de cumprir a legislação federal, e por este motivo inúmeras greves têm sido deflagradas no país. Os/As trabalhadores/as em educação não abrem mão de seus direitos e vão continuar lutando para que a lei do piso seja respeitada por todos os gestores públicos.

A CNTE permanecerá atenta ao movimento dos mencionados embargos na pauta do Supremo Tribunal Federal. Tão logo a decisão sobre a matéria seja anunciada, a entidade se posicionará sobre a questão.

Da CNTE, 22/06/12

Escolas interditadas em pauta

Audiência Pública realizada no dia 21/06 (quinta-feira), discutiu a interdição das Escolas Estaduais de Joinville

O Sinte Jlle participou mais uma vez, em 2012, da discussão sobre as escolas interditadas. A discussão foi chamada pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa em conjunto com a Comissão de Educação da Câmara de Vereadores de Joinville. Esta audiência foi um dos encaminhamentos tirados na audiência realizada no dia 5 de março último, e só aconteceu após muita insistência por parte do Sinte e da Câmara de Vereadores.

O debate contou com a presença do deputado Carlos Chiodini (presidente da comissão de educação), dos vereadores da comissão, representantes do Sinte Estadual e Regional, da Secretaria de Estado da Educação, além de pais, professores e estudantes.

A comunidade escolar presente cobrou dos representantes do governo, solução imediata para o problema das escolas interditadas (parcialmente ou totalmente) no município. Os representantes do governo mais uma vez usaram a burocracia do estado como desculpa pela demora nas reformas.

Para o Sinte Joinville, o governo foi negligente, pois as escolas já vinham com problemas estruturais durante anos. As interdições só aconteceram porque o estado não efetuou as obras de reforma necessárias, solicitadas pela Vigilância Sanitária em anos anteriores, sendo realizadas somente medidas paliativas (“maquiagem”). A situação é de abandono, o que ficou provado com as fotos e laudos apresentados.

Após vários questionamentos foi apresentado o encaminhamento de se levar a situação ao governo do Estado (governador e secretário), cobrando solução para os problemas.

O deputado encerrou a audiência não permitindo que a representante do Sinte Jlle apresentasse o encaminhamento de se formar uma comissão de pais, professores e estudantes para acompanhar os desdobramentos desta discussão.

Texto: Sinte Joinville

domingo, 24 de junho de 2012

Seminário Jurídico

O objetivo do SINTE/SC é realizar semanários em todas as regionais

Na última terça-feira (19/06) foi realizado na regional de Joinville o segundo seminário Jurídico que teve a presença do Diretor Jurídico do Sinte/SC Aldoir Kramer e do advogado Marcos Rogério Palmeira da assessoria jurídica do Sinte. Participaram também diretores do Sinte Joinville e trabalhadores em educação.

O objetivo do seminário foi informar a categoria sobre as ações jurídicas em andamento, bem como esclarecer as dúvidas e os diretos dos trabalhadores.

Entre os pontos discutidos e relacionados no seminário:

- Aposentadoria Especial;
- Os não descontos do afastamento de saúde ou qualquer outro tipo de licença;
- Os não descontos de qualquer benéfico da categoria.
- Ações Coletivas em andamento como prêmio educar;
- Indenização pela demora na aposentadoria;
- Descontos indevidos;
- Situação da lotação dos professores dos CEIs municipalizados;
- Adicional de permanência;
- Situação dos professores aprovados nos últimos concursos;
- Cobrança do retroativo do Piso Nacional.

Dúvidas sobre ações e processos entrem em contato com a regional do Sinte pelo telefone 3026-6354.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

SISTEMA OU DESGOVERNO

Já é fato conhecido pelo SINTE/SC e por toda a categoria, as eternas “confusões” do sistema que gerencia as folhas de pagamento do magistério catarinense. Todo início de ano, por exemplo, é a mesma coisa: erros nas folhas de pagamento do ACT’s e em suas habilitações, falta e/ou erros no pagamento das regências de classe, sem falar nas faltas fantasmas que teimam em aparecer, mas mesmo sem existirem as faltas, os descontos acontecem.
Aí até provar que “fucinho de porco não é tomada”, mais transtornos para o trabalhador (a). E para reaver o seu dinheiro, é preciso entrar com um processo administrativo, veja como funciona a burocracia:

1 – O servidor faz um pedido na escola de regularização de pagamento;

2 – A escola encaminha o pedido para a GERED que por sua vez encaminha para a SED;

3 – A SED analisa o pedido;

4 – O pagamento só é efetuado na próxima folha.

5- Ou ainda dependendo da data de encaminhamento do pedido, o ressarcimento pode demorar até dois meses.

O engraçado é perceber que um sistema que comete constantes erros, é capaz de ao mesmo tempo, agir com muita rapidez quando a situação é o desconto, uma contradição. Também é fato afirmar que esse sistema nunca erra para mais, ou seja, nunca se soube de algum servidor que recebeu valores acima dos seus vencimentos, e nem tão pouco o sistema erra ao pagar os salários do alto escalão do Governo.

Na folha desse mês, mais uma vez o sistema foi o culpado por dezenas de contracheques com descontos indevidos, um susto para uma categoria já cansada de tentar sobreviver com o que ganha. Que tenta pagar as contas com empréstimos em financeiras e agiotas, e que por muitas vezes sê vem numa bola de neve, onde a cada mês seu salário diminui ainda mais.

O SINTE que há meses participa de tensas reuniões na mesa de negociações com o CONER, sempre bateu na tecla do “não” desconto, mas bem se vê a falta de confiança que o Governo tem pela categoria, quem sabe pensam que os professores não vão repor as aulas, algo estranho, pois é prática comum em todos os movimentos de greve, que vão dar o calote em seus cofres? Pensamos que é ao contrário! A dívida do Estado com a categoria não é somente financeira, mas moral, de respeito, de transparência e de gratidão, pois são esses profissionais que dão a vida pela educação no Estado. Que são mestres de muitos filhos, filhas, netos, crianças e adolescentes e são os verdadeiros responsáveis por formar cidadãos de bem para o mundo.

Diante de todas essas questões perguntamos: Sistema... ou Desgoverno??

Assessoria de Imprensa SINTE – SC
imprensa@sinte-sc.org.br

Esclarecimentos sobre descontos na folha de junho

No dia de hoje, o SINTE/SC recebeu diversas ligações de trabalhadores (as) da educação de todo Estado, afirmando que, ao acessarem suas folhas de pagamento online, perceberam o desconto de todo o restante dos dias paralisados por conta da última greve.

Sendo assim, o sindicato procurou averiguar a situação junto ao Governo do Estado, e descobriu que foram casos isolados, e que a prática não foi usada para toda a categoria. De acordo com Décio Vargas, Coordenador do CONER, aconteceu um erro no sistema, e que está mantida a posição do Governo em realizar os descontos em três parcelas. Ele disse ainda, que o erro será corrigido, já que a folha foi rodada, mas o pagamento ainda não saiu.

Para que o problema seja corrigido o mais rápido possível, o SINTE comunica às Regionais, bem como, a toda categoria, para que cada trabalhador (a) que perceba esses descontos indevidos em suas folhas, entre imediatamente em contato com a Secretaria de Estado de Educação, no Setor de Gestão de Pessoal, para que a folha seja revista.

Entrar em contato com:
DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS SED
Diretora de Gestão de Pessoas/DIGP
Lúcia Steinheuser Gorges
Telefone: (48) 3221-6038
E-mail: assessoriadidh@sed.sc.gov.br

ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC
impresa@sinte-sc.org.br
9178-9026

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Audiência Pública sobre Escolas Interditadas
Dia: 21 de junho às 19:30h
Local: Câmara de Vereadores de Joinville
Sua participação é importante!

Nota de Repúdio

Governador declara que pagou os 22% de reajuste ao magistério em 2012


O SINTE/SC repudia as declarações do Governador Raimundo Colombo ao Jornal Diário Catarinense de hoje, 20 de junho, página 15, no Informe Econômico. Na nota, Colombo declara que: “Lembrou que os professores receberam um reajuste de 22% este ano”.

O sindicato garante que o único reajuste pago à categoria foi através de gratificações concedidas aos trabalhadores (as) da educação, os quais, não recebiam o teto mínimo de R$1450,00, uma adequação, para que os mesmos alcançassem esse valor, como rege a Lei. Contudo, os servidores da educação pública do estado, até agora, receberam apenas 8% de reajuste, 4% pagos em janeiro e 4% em maio, mesmo percentual concedido a todos os servidores do Estado.

O SINTE lembra que o pleito da categoria é o reajuste de 22% na carreira, hoje achatada, e para todos, ou seja, a aplicação da Lei do Piso para os profissionais desde o nível 1A ao 12G, na atual tabela do plano de carreira.

O SINTE declara ainda, que se sente ofendido com as declarações do Governador, este que esqueceu a greve deflagrada neste ano, reivindicando o reajuste do piso, bem como, as mesas de negociações que ainda estão acontecendo para tentar encontrar uma saída para a categoria. Vale salientar também, que este Governo disse que não pagará o reajuste esse ano, em sua última proposta, é sugerido o pagamento parcelado em cinco vezes, até dezembro de 2013. Porém, a Lei é clara, e estabelece que o reajuste dever ser pago a partir de janeiro desse ano. Sendo assim, o Governo não está cumprindo a Lei do Piso Nacional para o magistério catarinense.

Veja a declaração do Governador:

sábado, 16 de junho de 2012

Informe importante

Lotação dos Trabalhadores em Educação dos CEIs nas escolas

Conforme anúncio do governo, em julho deverá estar disponível o edital para o concurso de remoção. Em função disso, orientamos a todos os trabalhadores em educação, principalmente os que atuavam nos CEIs municipalizados, que verifiquem a situação de suas vagas de lotação nas escolas.

Caso algum profissional não estiver lotado na escola deverá solicitar que isso seja feito o mais rápido o possível, para assim garantir sua vaga.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Audiência com Secretário Deschamps - 14/06/12

Na manhã de hoje, 14, representantes da Diretoria Executiva do SINTE/SC estiveram reunidos com o Secretário de Estado de Educação Eduardo Deschamps, após meia hora de espera, iniciaram a conversa pelo ponto tratado como prioridade pelo sindicato no momento, os descontos nas folhas de pagamento dos grevistas, prática esta sentida pelo sindicato como punição, e que está trazendo grandes prejuízos financeiros e psicológicos aos profissionais de educação, visto que, muitos precisaram fazer empréstimos pessoais e acumulam dívidas. O SINTE solicitou ao secretário um ato de boa vontade, cessando os descontos já na folha de junho, que deve ser rodada nos próximos dias, já que, muitos professores já estão repondo as aulas.

Contudo, Deschamps declarou que os descontos estão mantidos, e que esta é uma política adotada pelo Governo, que segundo ele, dará o mesmo tratamento a todos os movimentos reivindicatórios (greves, assembleias...), de qualquer categoria de servidores públicos do Estado. Questionado pelos sindicalistas acerca da negociação fechada entre SINTE e CONER, com relação ao pagamento imediato das aulas já repostas, tratativa feita com Décio Vargas, o Secretário afirmou que não estava a par dessa informação. Sendo assim, ainda não está clara qual a forma que será adotada pelo Governo, para a devolução dos valores descontados.

Deschamps disse ainda, que a obrigação da SED com a reposição é somente pedagógica, jogando a responsabilidade das discussões sobre devolução financeira para o CONER, que deve negociar com o sindicato na mesa. “A suspensão dos descontos é com o Décio”, afirmou Eduardo. O SINTE entende que esta é uma decisão política, e que está prejudicando muito a categoria, já que um joga a “bola” para o outro.

O Secretário ainda comparou de certa forma, o magistério público a uma empresa, declarando que os descontos não se tratam de punição, e sim uma prática normal, já que o professor não estava em sala de aula e não prestou o “serviço” ao Estado. Esquecendo assim, a legalidade dos movimentos grevistas, garantida pela Constituição Federal.

O SINTE denunciou ao secretário, que alguns diretores de escolas estão impedindo as reposições e não estão cumprindo as normativas enviadas pela SED por email às GEREDs. Deschamps disse, que se o sindicato souber de algum abuso por parte dos diretores deve denunciar, e que cada caso será apurado, sendo a GERED orientada a esclarecer tal acontecimento, visto que, muitas imposições e restrições que estão sendo acontecendo nas escolas não são orientações feitas pela SED.

Além disso, mais uma vez o sindicato falou do assédio moral sofrido por muitos professores. Os diretores não dialogam nem socializam com os educadores. O SINTE citou como exemplo as regionais de Joinville, Palmitos e Itajaí, locais onde existem muitas denúncias do tipo e que devem ser averiguadas.

Lei dos ACT’s: O SINTE cobrou uma posição do Governo com relação ao assunto, e este afirmou que já tem uma proposta praticamente pronta, e que em breve encaminhará ao CONER para debate com o sindicato na mesa de negociações.

Municipalização: Os diretores do SINTE entregaram ao Secretário documentos de dois professores do Governador Celso Ramos, denunciando que esses profissionais perderam suas regências de classe e carga horária por terem optado em permanecer na escola municipalizada. Contudo, o termo assinado entre Governo do Estado e Municípios prevê que nenhum professor da rede estadual que optasse por permanecer na escola municipalizada perderia qualquer um de seus direitos. Eduardo concordou, e reafirmou que o acordo deve ser respeitado, de posse dos documentos deverá encaminha-los ao setor responsável.

Concurso Público: O Secretário declarou que a SED deverá abrir edital para concurso púbico de ingresso no mês de agosto. Ele afirma ainda, que a ideia é de que os aprovados assumam suas vagas até fevereiro de 2013.

Edital de Remoção: Como está previsto em Lei, antes da realização de concurso público, os trabalhadores efetivos da educação, tem o direito a pedir aumento de carga horária e remoção de escola ou de cidade. O edital de remoção deve estar disponível em julho, professores estejam atentos!


ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC
impresa@sinte-sc.org.br
9178-9026

Tabelas propostas pelo Governo

As tabelas bem como, os coeficientes de reajuste entre níveis e referências propostos pelo Governo estão disponíveis para download na nossa FanPage no Facebook:
http://www.facebook.com/unidospelaeducacao?v=app_182667455607

O setor financeiro do SINTE está realizando todos os estudos, e calculando os valores reais de reajuste para cada nível e referência e, posteriomente, estaremos divulgando as tabelas com dados mais completos.

Mesa de Negociações dia 13 de junho de 2012

Quatro propostas de tabelas foram apresentadas pelo CONER ao SINTE, na mesa de negociações de ontem, dia 13. Em reunião entre a diretoria executiva do sindicato, após a mesa, a análise dessas tabelas foi negativa.


Nas tabelas, o restante do reajuste do piso, já que 8% já foram pagos em janeiro e maio desse ano, foram distribuídos aleatoriamente na carreira, concentrando os maiores índices de reajuste entre os profissionais com licenciatura plena e pós-graduação, não respeitando o princípio de igualdade entre a categoria. Dessa forma nem todos receberão os 22%. Décio Vargas declarou ainda, que não haverá nenhum incremento nos recursos para o pagamento, e que os valores se mantêm em cerca de 40 milhões por mês, para custear uma folha de mais de 65 mil servidores da educação pública estadual.

Os modelos de tabelas apresentam ainda, índices diferenciados de percentuais entre níveis e referências, prejudicando a progressão na carreira, e a mantendo achatada. O CONER também não apresentou nenhum prazo para o pagamento do reajuste do piso.

O SINTE mantém sua posição de aplicação do piso de 22,22% na carreira e de forma igualitária, com prazos definidos, e limite máximo de pagamento até o final de 2012. Os sindicalistas reafirmam ainda, que a discussão da tabela tem que andar junto à descompactação carreira do magistério, pois nos moldes apresentados a categoria não está sendo contemplada com melhorias durante seus anos de serviço.

A diretoria executiva do SINTE afirma ainda, que quer não somente o modelo de tabela aprovado pela categoria na assembleia de Lages seja usado pelo Governo, mas também que sejam respeitados os percentuais entre níveis e referências, bem como, as diretrizes da carreira.

A próxima reunião com o CONER deverá acontecer no dia 27 de junho, e o sindicato espera que nesse dia o Governo apresente propostas consistentes e palpáveis, bem como, os prazos para o pagamento, para que estas possam ser levadas para discussão com o Conselho Deliberativo, que deve se encontrar no dia 30 de junho, em Xanxerê.

ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC
impresa@sinte-sc.org.br
9178-9026

Relatório do PNE

Relatório é aprovado com investimento de 8% do PIB, com possibilidade de chegar a 10%

Foi aprovado há pouco na Câmara dos Deputados o texto principal do Plano Nacional da Educação (PL 8035/10). Após a sessão de ontem (12), o relator Angelo Vanhoni (PT-PR) realizou duas alterações na meta 20 do parecer, que trata da execução das metas do Plano. Uma delas é a definição de que o investimento público na Educação será de 8% do Produto Interno Bruto (PIB), de forma direta. A segunda mudança prevê o investimento de 50% dos recursos provenientes dos royalties do Pré-sal no setor, garantindo que, desta forma, ao final de dez anos sejam investidos pelo menos 10% do PIB na área.

Apesar dos 10% finalmente terem sido incorporados ao texto do relatório principal do PNE, os deputados que reivindicavam a aplicação direta desse percentual não ficaram satisfeitos. Segundo eles, os recursos advindos do Pré-Sal ainda não estão garantidos e não se sabe qual é o seu montante.

O Coordenador do Departamento de Funcionários da CNTE, Edmilson Lamparina, acompanhou a votação e tem a mesma opinião sobre o tema. "Ficou a dúvida se realmente os recursos do Pré-sal serão suficientes para se alcançar os 10% para a educação", destacou o dirigente.

Uma das possibilidades levantadas pelos parlamentares seria mudar a lei do Pré-Sal. Outra alternativa seria aprovar destaque ao parecer original mudando o investimento de 8% para 10%, de forma direta. A análise dos destaques ficou agendada para o dia 26 de junho.

CNTE, 13/06/12

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Participação dos Aposentados no Sinte Joinville

A cada dois meses, sempre na última sexta-feira do mês, acontece uma atividade muito especial. Reúnem-se neste dia os trabalhadores em Educação, que contribuíram e continuam contribuindo para a sociedade. Trabalhadores esses que durante anos de suas vidas desenvolveram seus trabalhos com qualidade e comprometimento diante da educação pública estadual. Esse momento nos remete às histórias e lembranças.

O Sindicato dos trabalhadores em Educação promove um aconchegante café, com apoio voluntário dos profissionais da área. São horas preciosas onde discutimos assuntos convenientes à educação pública estadual de qualidade e à saúde dos trabalhadores.

É necessário frisar a preocupação de todos com o cenário que vem se apresentando, principalmente o descaso com a estrutura de trabalho e o “mau” funcionamento do plano de saúde.

Diante das inúmeras reclamações sobre o plano de saúde e as dificuldades de atendimento em muitas especialidades, decidiu-se encaminhar um abaixo assinado envolvendo toda a categoria, cobrando do governo o cumprimento do acordo firmado na Audiência Pública do dia 12 de abril do ano corrente em Florianópolis.

Agradecemos a todos que se fizeram presentes e esperamos contar com a presença nos próximos cafés, pois são momentos preciosos onde fazemos acontecer a história do magistério catarinense.



terça-feira, 12 de junho de 2012

SINTE marca audiência com Secretário Deschamps

A Diretoria Executiva do Sindicato agendou para a próxima quinta-feira, dia 14 de junho, às 10 horas da manhã, na Secretaria de Estado de Educação, uma audiência com o Secretário Eduardo Deschamps.
O encontro tem por objetivo discutir a seguinte pauta:

1 – Garantia de reposição dos dias parados e suspensão dos descontos;

2 - Revisão da Lei dos ACTs;

3 - Realização de concurso público de ingresso;

4 - Discussão sobre a situação das Escolas Estaduais

O SINTE pretende ainda, colocar na reunião, as questões do reajuste do piso e a descompactação da tabela, para que o sindicato possa repassar as informações ao Conselho Deliberativo, que tem representantes de todas as regionais, e com isso definir os caminhos que a categoria deve seguir para alcançar seus objetivos.

A expectativa do sindicato é de que com a aproximação do final das negociações com o CONER, que o Secretário encaminhe soluções para as reivindicações do magistério catarinense.

SINTE/SC exige objetividade e determinação nas negociações com o governo

O cancelamento da Reunião do dia 06/06 com os/as representantes do sindicato e o CONER deixou a clara impressão de que o assunto está sendo mais uma vez empurrando com a barriga pelo governo. A proposta do SINTE era de que os assuntos do educacional deveriam ser tratados separadamente da carreira e tabela para que as reuniões tivessem maior foco e objetividade.
O governo não concordou com a proposta, afirmando que a discussão só seria feita em um único pacote levando ao resultado que temíamos, ou seja, reuniões sem objetividade e nenhuma proposta que viesse de encontro aos interesses defendidos pelo SINTE/SC.

O objetivo da mesa de negociação é levar em conta todos os interesses da categoria em virtude disto, solicitamos ao governo que nesta quarta-feira apresentasse uma proposta com valores e forma de pagamento levando em conta a aplicação dos 22.22% de reajuste na tabela, ainda este ano, e a descompactação da mesma achatada em 2011.

Juntamente com a discussão salarial solicitamos ao governo que num gesto de boa vontade parasse com os descontos a partir de junho, pois os calendários foram feitos pelas escolas, enviados para as GEREDs e a categoria já está fazendo a reposição. Porém, até o momento este vem mantendo sua postura intransigente de punição aos grevistas, mesmo sabendo das dificuldades financeiras e emocionais pelas quais estão passando os trabalhadores que tiveram desconto em seus salários, pois a grande maioria foi obrigada a fazer empréstimos pessoais para sobreviver. Este fato é muito preocupante para uma categoria que já ganha pouco.

Juntamente com a luta pelo reajuste do piso na carreira e a descompactação da tabela salarial, vem ocorrendo no estado uma situação de desgoverno com algumas GEREDs e direções escolares, que vem tomando atitudes à revelia das orientações da SED, proibindo que os/as professores/as façam a reposição e os assediando moralmente.

É neste sentido, que o SINTE/SC exige:

- Que o CONER por não ter poder deliberativo trate única e exclusivamente de assuntos técnicos referentes à categoria;

- Que as questões políticas sejam tratadas diretamente com o secretário da educação;

- Que as negociações ocorram de forma mais objetiva;

- Que cessem os descontos e que os dias parados sejam pagos imediatamente;

- Que as direções das escolas permitam aos professores fazer a reposição;

- Que diretores deixem de assediar moralmente os professores e os que agirem de forma arbitrária sejam retirados dos seus cargos;

- Que a gestão democrática seja implantada nas escolas garantindo assim a eleição para diretores.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

SINTE quer o cancelamento dos descontos já na folha de junho

Estava previsto para hoje, na reunião que foi cancelada pelo Governo, a posição do mesmo com relação ao pedido do SINTE/SC em cessar imediatamente os descontos na folha de pagamento do magistério Catarinense, visto que, a categoria já está repondo as aulas.

Mesmo sem a reunião, a Diretoria Executiva do sindicato entrou em contato com Décio Vargas, Coordenador do CONER, reforçando a reivindicação e cobrando uma posição por parte do Governo, salientando ainda, as dificuldades financeiras e emocionais pelas quais estão passando os trabalhadores (as) descontados, pois muitos foram obrigados a fazer empréstimos pessoais para sobreviver sem parte de seu salário, criando dívidas em seus nomes, o que é preocupante para uma categoria que já ganha pouco.

O Sindicato solicitou ainda que a posição dos descontos seja revista antes do dia 13, data da próxima reunião agendada, para que não haja mais descontos a partir da próxima folha, que começa ser rodada até o dia 15.

Contudo, apesar dos inúmeros pedidos do SINTE, nas várias mesas de negociações, que insistem em se estender sem objetivos ou propostas claras, o Governo até o momento mantém a postura de punição aos grevistas e não abre mão dos descontos. Segundo o CONER, à medida que as aulas são repostas haverá a devolução do desconto.

A posição final do SINTE é o não desconto já na folha de junho. O coordenador do CONER ficou de entrar com o Secretário Deschamps, para encaminhar a pedido do Sindicato, mas até agora não tivemos nenhum retorno.

ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC
impresa@sinte-sc.org.br
9178-9026

terça-feira, 5 de junho de 2012

Governo cancela mesa de negociações de amanhã

Segundo o CONER o cancelamento da reunião de amanhã, 05 de junho, se deve as previsões das tabelas, as quais não ficaram prontas para apresentação aos representantes do SINTE, que compõe a mesa de negociações.

São 5 modelos de tabelas do plano de carreira elaboradas pelo Governo, baseadas no modelo criado e aprovado pela categoria na assembleia de Lages. Essas tabelas passarão por repercussões financeiras com valores e percentuais de reajustes, em cima da folha de pagamento do magistério. Dessa forma, será possível avaliar em números concretos os ganhos ou perdas para a categoria, bem como, o impacto financeiro para os cofres públicos.

A reunião já pré-agendada para o dia 13 de junho está mantida, e de acordo com o Governo será nesta data que as tabelas serão apresentadas.