Sinte - Regional de Joinville

Sinte - Regional de Joinville

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Sinte denuncia ao MP o fechamento de três turmas de três escolas de Joinville

A Gerência Regional de Educação nega que haja superlotação

FONTE: Jornal A notícia 23/08/2012

A regional de Joinville do Sindicado dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte) denunciou ao Ministério Público (MP) estadual o fechamento de três turmas de três escolas de Joinville e, em consequência, a superlotação de outras salas por causa do remanejamento dos alunos.

A Gerência Regional de Educação nega que haja superlotação. O MP abriu um procedimento para apurar a denúncia. Na última quinta-feira, o Sinte protocolou a representação no MP sobre o fechamento de turmas nas escolas estaduais Presidente Médici, Maestro Francisco Manuel da Silva e Arnaldo Moreira Douat, em Joinville.

— Foram os professores destas escolas que nos avisaram. O máximo permitido é de 30 alunos em cada sala. Em algumas, este número chegou a quase 40 —, explicou a coordenara regional do Sinte, Clarice Erhardt.

Outro problema, segundo a coordenadora, é que com o fechamento de turmas alguns professores perderam até seis horas-aula. —No fim do mês, isso vai comprometer a renda do professor. Quebrou todo o planejamento —, destacou a coordenadora.

A legislação estadual permite que turmas sejam fechadas se não há número suficiente de alunos desde que outras turmas não ultrapassem o limite de 30 estudantes. De acordo com a gerente regional de Educação, Clarice Portella de Lima, a denúncia de que há superlotação de salas não se confirma.

— É um sistema automático da Secretaria de Educação. Se passa o número de 30 alunos, automaticamente abre outra turma—, afirmou.

O promotor de justiça responsável pela Infância e Juventude, Sérgio Ricardo Joesting, recebeu a representação e já enviou ofício para a gerência solicitando as informações. — São duas coisas que vamos ter que analisar: o número de alunos e o tamanho da sala. Porque não dá para colocar 40 alunos em uma sala de 10 m², por exemplo —, falou o promotor.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Sinte Joinville denuncia fechamento de turmas no MP

Na última quinta-feira (16/08), dirigentes do Sinte Joinville, protocolaram representação no Ministério Público contra o fechamento de turmas imposta pelo governo.

Escolas como Presidente Médici, Maestro Francisco Manuel da Silva e Arnaldo Moreira Douat foram afetadas com essa medida, o que prejudicou alunos, professores e comunidade escolar.

Com essa situação os alunos foram remanejados para outras turmas, causando em alguns casos superlotação nas salas de aula. Os professores tiveram redução de aulas comprometendo sua situação financeira.

Para o Sinte, o governo desrespeita a Educação Catarinense impondo medidas arbitrárias causando prejuízos incalculáveis.

Não bastasse a falta de investimentos o governo anuncia a contenção de gastos no estado, que somente na Educação terá um corte de R$ 9,5 milhões, conforme informações do próprio governo.

Precisamos reagir a esses ataques! Pedimos aos Trabalhadores em Educação que denunciem ao Sinte Joinville a reenturmação e a superlotação de turmas, para encaminharmos ao Ministério Público na tentativa de reverter essa situação.

AÇÕES COLETIVAS DO SINTE/SC BENEFICIAM TODA A CATEGORIA DO MAGISTÉRIO

O Que a Assessoria Jurídica do SINTE/SC já faz em defesa do Piso Nacional do Magistério:

¨ PRIMEIRO: Impetrou Mandado de Segurança Coletivo (autos nº2011.083330-0), em favor de todos os membros do magistério, com afinalidade de requerer que o Poder Judiciário determine a aplicação do Piso noinício da carreira, mas sobre a tabela salarial da Lei nº 1.139/92(principal bandeira de luta da greve) que foi substituída pela LeiComplementar Estadual nº 539/2011;

¨ SEGUNDO: Ingressou com Ação Ordinária (autos nº 023.12.041882-0), representando todos osmembros do magistério, pleiteando a aplicação do Piso Nacional do Magistério conforme determina a LeiFederal n. 11.738/2008 e com o pagamento das diferenças remuneratóriasretroativas;

¨ TERCEIRO: Ingressou com Ação Ordinária(autos nº 023.11.056644-3), representando todos os membros do magistério, buscando aaplicação do art. 1º, § 4º da Lei do Piso, com a finalidade de garantir a horaatividade de 1/3 da jornada de trabalho. A mesma ação cobra os valoresatrasados, dos períodos anteriormente trabalhados com carga horária a maior.

Importante! Comunicado do Jurídico SINTE/SC

A Assessoria Jurídica do SINTE/SC tem ingressado com inúmeras Ações Coletivas visando a assegurar direitos sonegados dos trabalhadores da educação.


Lembramos que o SINTE/SC tem o entendimento de que, a exemplo da luta política pelos direitos econômicos e sociais, o embate jurídico também deve ser feito coletivamente pela categoria.

Por esta razão, não recomendamos o ingresso, neste momento, de ações judiciais individuais para discutir o valor do piso, por exemplo, nem mesmo a possibilidade de sua aplicação retroativa, sob pena de correr sério risco de não se obter o resultado esperado.

Neste sentido, alertamos para o assédio de advogados particulares que tem buscado nossa categoria, propondo ações que já estão sendo encampadas pelo jurídico do SINTE/SC, pois além de cobrarem por um serviço que já estamos disponibilizando, pode vir a causar atrapalhos no judiciário.

*Orientamos aguardar o resultado das ações judiciais do SINTE/SC que beneficiam toda a categoria e os encaminhamentos necessários para o ingresso de ações.

FONTE: SINTE/SC

Comunidades universitária e científica se manifestam contra o recurso que adia o PNE

Após PNE ser aprovado com 10% do PIB para a educação pública na Câmara dos Deputados, Governo faz manobra e cria recurso que tenta levar PNE a Plenário. Sociedade civil é contra.

Após a divulgação de notas públicas da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, do FNE (Fórum Nacional de Educação), da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) e da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) contra o recurso (REC 162/2012) que pretende adiar a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), as comunidades universitária e científica também começam a se pronunciar contra a manobra.


Em nota, a Adusp (Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo) mostra a importância de investir o equivalente a 10% do PIB na educação pública, apontando os diversos déficits do setor, que podem ser minimizados com a aprovação do Plano. “Repudiamos qualquer tentativa de atrasar ainda mais o processo e instamos o Congresso Nacional a aprovar, com urgência, os recursos previstos para a educação pública pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados”.

Nesta sexta-feira (17/8), a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) também divulgou nota criticando o recurso que tenta protelar o PL 8035/10. “A SBPC solicita aos senhores que não acatem tal recurso e que encaminhem o PNE direto ao Senado Federal.

Levar o projeto ao Plenário pode gerar modificações graves no PNE, além de atrasar ainda mais a tramitação da matéria, retardando o direito à educação de milhões de familiares, estudantes e professores brasileiros”, diz a nota.

“Para um país que é a sexta economia do mundo e que pretende entrar no rol de países desenvolvidos, o nosso desafio ainda é enorme no que se refere à educação. Para enfrentar este desafio, é fundamental aumentar o montante de recursos por meio de uma política de financiamento”, afirma, ainda, a SBPC.

Entenda a tramitação do PNE e o Recurso 162/12

O Projeto de Lei 8035/10 foi aprovado pela Comissão Especial da Câmara que analisa o PNE em 26 de junho e seguiria diretamente para aprovação no Senado, caso a coordenação política do Governo não tivesse articulado recurso para levar a matéria por tempo indeterminado ao Plenário da Câmara dos Deputados, o que prejudica o planejamento e a efetividade das políticas públicas educacionais.


O recurso 162/12 (REC 162/12) ao PL 8035/10 foi apresentado à Mesa Diretora da Câmara dos Deputados no dia 9 de agosto pelo líder do governo, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), que articulou a assinatura de 80 deputados.

Clique aqui e veja a manifestação da Adusp e da SBPC.

Encaminhamentos da Reunião Conselho Deliberativo e Assembleia Estadual 15/08/2012

Regionais Presentes: Florianópolis, Tubarão, Criciúma, Blumenau, Joinville, Rio do Sul, Lages, Joaçaba, Concórdia, Chapecó, São Miguel do Oeste, Itajaí, Caçador, Araranguá, Brusque, Xanxerê, Canoinhas, Jaraguá do Sul, Laguna, Ituporanga, Maravilha, Curitibanos, Ibirama, São José, São Lourenço do Oeste, Campos Novos, Videira, São Joaquim e Palmitos.


Municipais Presentes: Governador Celso Ramos, Forquilhinha, Morro da Fumaça, Nova Veneza, Urussanga, Capinzal, Herval do Oeste, Luzerna, Caxambu do Sul, Coronel Freitas, Guatambu, Nova Erechim, Nova Itaberaba, Guaraciaba, Iporã do Oeste, Palma Sola, São Domingos, Saudades, Santa Cecilia, Campo Erê.

Componentes da Diretoria Executiva Presentes: Alvete, Janete, Anna Julia, Sandro, Tania, Evandro, Inês, Marcus, Marcelo Speck, Neuza, Carlos Alberto, Marcelo Serafim e Aldoir.

Plano de Lutas e Encaminhamentos

· Participar da Marcha a Brasília no dia 05/09, pelo piso, carreira, jornada e PNE;

· No dia 05/09, discutir nas escolas os temas da marcha nacional da CNTE após o intervalo e realizar atividades e a possibilidade de paralisação no dia da Marcha com ato nas GEREDs/SDRs ou locais de maior visibilidade da região, desde que não impliquem em falta injustificada aos participantes;

· Realizar coletiva falando sobre o caráter do piso, que não é apenas no início, mas em toda a carreira;

· Fazer campanha de comunicação com panfletos, adesivos e inserção na mídia;

· Denunciar a não aplicação dos 25% da receita na Educação, por parte do governo do estado;

· Fazer campanha nas escolas para que os trabalhadores em educação demonstrem sua insatisfação em relação ao governo do estado;

· Os trabalhadores em Educação deverão se organizar nas escolas e enviar e-mail para o governador, demonstrando sua insatisfação pelo não pagamento do reajuste do piso.

· Lutar pelo reajuste de 22% do piso na carreira e em 2012;

· Lutar pelos 10% do PIB já;

· Apresentar questionamento à PGE e denuncia ao MP sobre o reduzido número de vagas previstas no concurso público, em comparação com o elevado número de ACTs. As regionais deverão realizar um levantamento sobre as vagas excedentes para embasar a denuncia, e enviar à Executiva até o final de setembro. Poderá ser usado o portal da transparência para verificação;

· Apresentar denuncia ao MP sobre o mau atendimento do SC Saúde, onde os valores são descontados dos servidores e estes não recebem atendimento por falta de profissionais. As regionais deverão encaminhar ao SINTE/SC os problemas relativos à falta de atendimento, se possível com provas, para fortalecer a denuncia.

· Denunciar os problemas do SC Saúde na Agencia Nacional de Saúde e cobrar do governo a melhora no atendimento, em todo estado;

· Denunciar os casos de violência nas escolas e exigir o retorno dos vigias;

· No caso de encaminhado à ALESC de projeto para alteração da carreira, fazer paralisação e mobilizar os Trabalhadores em Educação para acompanhar as votações;

· Encaminhar aos candidatos a prefeito carta compromisso com a Educação e contra a municipalização; até o final de setembro e encaminhar cópia rubricada como recebida à Executiva; (Modelo em anexo). Até o final de setembro encaminhar à Executiva cópia da carta assinada pelos candidatos.

· Que as coordenações regionais exijam dos trabalhadores em educação candidatos a vereadores, a defesa da pauta de reivindicações do sindicato, seguindo o modelo da carta aos prefeitos;

· Que as regionais façam um levantamento dos ACTs não habilitados, para que possamos questionar a politica de formação e de contratação da SED;

· Nos materiais da campanha de mídia, será incluído o questionamento sobre a falta de critérios na política salarial entre os cargos comissionados das GEREDs e os trabalhadores nas escolas.

· Realizar estudo sobre viabilidade de ajuizar ações judicias por lesões decorrentes de Esforços Repetitivos em função das atividades em sala de aula;

· Reencaminhar para as regionais o documento com as orientações sobre as ações do piso e sobre os advogados que estão oferecendo serviços nas regionais e escolas, para ajuizar ações cobrando o pagamento retroativo do piso salarial;

· Realização de um seminário sobre o programa DST/AIDS;

· Encaminhar moção de apoio à greve dos Servidores Públicos Federais, exigindo negociação;


Jornal do SINTE/SC

O jornal do SINTE/SC nº 49 esta sendo enviado pelos correios a todos os trabalhadores em educação aposentados. Para os demais profissionais a entrega do jornal será nas escolas, sendo a distribuição. de responsabilidade das Coordenações Regionais.

Grito dos Excluídos

As Coordenações Regionais deverão entrar em contato com outras entidades que integram o grito dos excluídos para participar da organização das manifestações e atos do dia 07 de setembro, dando especial visibilidade a nossa principal pauta, o reajuste do piso em 2012. Nas regionais onde não ocorrer o ato, sugerimos a confecção de um documento denunciando o governo do estado por não pagar o reajuste do piso e paralisar as negociações até as eleições municipais e organizar panfletagem. Pedimos que todas as regionais registrem os atos em vídeos ou fotos e encaminhem à Executiva para divulgação.

Congresso do SINTE/SC

Foi decidido, por maioria, que a sede do Congresso será a Regional de Videira, na cidade de Fraiburgo. Para organizar o evento será formada uma comissão de cinco pessoas, mais um representante da regional onde será realizado o evento, para verificar a viabilidade da estrutura do Congresso, bem como dos valores e orçamentos apresentados. Os custos finais relativos à hospedagem, alimentação e local do congresso (auditório, salas, sonorização e filmagem) não poderão ter diferença maior que 20% em relação ao orçamento apresentado. Não entrarão no calculo as demais despesas, como transporte e gráfica.


Data: 15, 16 e 17 de novembro de 2012;
Local: Cidade de Fraiburgo, (Regional de Videira).
Tema: Será definido posteriormente. (Proposta de tratar dos 100 anos da Guerra do Contestado)

Calendário de lutas:

05/09 – Marcha a Brasília pelo Piso, Carreira, Jornada e PNE;
26/10 – Encontro de Mulheres, sobre opressão, com participação de três representantes por regional.

Conteúdos Gerais para Concurso do Magistério SC - 2012

O SINTE/SC realizou uma pesquisa para levantar os conteúdos que cairão na prova do Concurso Público para o Magistério de 2012. O objetivo é ajudar os candidatos em seus estudos, facilitando o acesso as informações através dos links.


ÁREAS: Ensino Fundamental (séries inicias e séries finais) e Ensino Médio

O Projeto Político-Pedagógico, o Currículo, a Educação Especial, a Avaliação da Aprendizagem de acordo com a Proposta Curricular da Rede Estadual de Santa Catarina – Temas Multidisciplinares, 1998; http://www.sed.sc.gov.br/educadores/proposta-curricular?showall=1

http://www.sed.sc.gov.br/secretaria/ppp/ppp

Educação de Jovens de acordo com a Proposta Curricular da Rede Estadual de Santa Catarina – Estudos Temáticos, 2005;
http://www.sed.sc.gov.br/educadores/proposta-curricular

As diretrizes curriculares nacionais gerais para a educação básica/Resolução CNE/CEB nº 4/2010;
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=5916&Itemid=


Diretrizes Nacionais para o Ensino Fundamental/Resolução CNE/CEN 07/2010;
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=7246&Itemid=

Planejamento: Plano de Curso e Plano de Ensino;

Estatuto da Criança e do Adolescente;
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Política da SED/2011 de Educação, Prevenção, Atenção e Atendimento às Violências na Escola. http://www.sed.sc.gov.br/secretaria/documentos/doc_download/2386-politica-de-prevencao

Sinte Joinville denuncia fechamento de turmas no MP

Na última quinta-feira (16/08), dirigentes do Sinte Joinville, protocolaram representação no Ministério Público contra o fechamento de turmas imposta pelo governo.

Escolas como Presidente Médici, Maestro Francisco Manuel da Silva e Arnaldo Moreira Douat foram afetadas com essa medida, o que prejudicou alunos, professores e comunidade escolar.

Com essa situação os alunos foram remanejados para outras turmas, causando em alguns casos superlotação nas salas de aula. Os professores tiveram redução de aulas comprometendo sua situação financeira.

Para o Sinte, o governo desrespeita a Educação Catarinense impondo medidas arbitrárias causando prejuízos incalculáveis.

Não bastasse a falta de investimentos o governo anuncia a contenção de gastos no estado, que somente na Educação terá um corte de  R$ 9,5 milhões, conforme informações do próprio governo.

Precisamos reagir a esses ataques! Pedimos aos Trabalhadores em Educação que denunciem ao Sinte Joinville a reenturmação e a superlotação de turmas, para encaminharmos ao Ministério Público na tentativa de reverter essa situação.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

ASSEMBLEIA ESTADUAL

ASSEMBLEIA ESTADUAL EM FLORIANÓPOLIS


DIA: 15/08/2012

CONFIRMAR PRESENÇA NO TEL:30266354
ATÉ 17H DO DIA 14/08
Saída do Estacionamento do Centreventos às 09h

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Governo diz que só negocia reajuste do Piso depois das eleições

A Diretoria Executiva do SINTE/SC esteve reunida na tarde de ontem, 09/08, com o Secretário Eduardo Deschamps, Décio Vargas – CONER e demais funcionários do alto escalão da SED, na expectativa de receber uma proposta que atenda as reivindicações do magistério, como havia sido prometido pelo Governo, visto que, a Assembleia Estadual vai acontecer no próximo dia 15.

Entretanto, o Secretário suspendeu as negociações com a categoria, alegando baixa arrecadação, Lei Eleitoral e a discussão em nível nacional da Lei do Piso. O SINTE questiona essa posição, pois o Piso é uma Lei Nacional, com o reajuste de 2012 já aprovado. Sendo assim, não há nada que impeça o pagamento, bem como, a reconstrução da carreira do magistério, destruída pelo próprio Governo.

O anúncio de que as licenças prêmio já encaminhadas (as novas foram cortadas) poderão ser gozadas em sua integralidade, a realização do Concurso Público de ingresso e a devolução dos descontos aos grevistas das aulas repostas, que só ocorreu em função da pressão feita pela categoria, aumentou ainda mais a indignação dos representantes do sindicato.

Para o SINTE a intenção do Governo em empurrar a negociação da descompactação da tabela salarial e a aplicação dos 22% de reajuste do Piso para todos para o pós-eleição, tem o claro objetivo de preservar os candidatos da sua base aliada de um confronto direto com a categoria, porém, o efeito pode ser exatamente ao contrário daquilo que o Estado pretende. A categoria não vai deixar passar em branco mais este desrespeito, e com certeza vai reagir à altura, engajando-se na campanha contra quem só usa a educação em seus discursos de palanque. Além disso, o Governo está apostando na mudança do reajuste do piso, que hoje é calculado pelo custo/aluno, e os Estado querem que a atualização seja feita em cima do INPC, o que será um retrocesso depois de tanta luta pela valorização dos profissionais da educação.

“É um discurso falacioso do Governo de que não tem recursos para os 22% em 2012, então como será feito o pagamento do novo reajuste do Piso previsto para 2013? Vai virar uma bola de neve, igual ao contracheque dos servidores com seus empréstimos”, afirmam os sindicalistas.

Estamos cansados de ouvir os mesmos argumentos dia após dia, mês após mês, ano após ano. Não podemos continuar sendo responsabilizados por políticas educacionais equivocadas ou a falta delas. Os/as profissionais da educação fazem parte de uma categoria que preza e respeita sua profissão, e seu compromisso é com a sociedade, é a ela que devemos obrigação.
É cômodo para o governo dizer que o SINTE/SC rejeitou as tabelas por ele apresentadas. O sindicato não tem como aceitar propostas que não estabelecem prazos, percentuais e nem qual o montante a ser aplicado para iniciar a descompactação das tabelas, apresentar esses dados é uma prerrogativa do Governo. Nossa defesa sempre foi e sempre será no sentido de preservar os direitos da categoria.

Fonte: SINTE/SC

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Após anos de pressão Governo abre concurso de ingresso para o Magistério Catarinense

Abriu hoje, 07 de agosto, edital de concurso público para o magistério estadual de Santa Catarina. Há mais de 8 anos não é realizado concurso para ensino fundamental e médio, para as séries iniciais a demora foi ainda maior, visto que, o Governo iniciou o processo de municipalização, querendo com isso, deixar de lado a responsabilidade com todas as etapas da educação básica.

Para o SINTE/SC, a realização desse concurso é uma vitória conquistada pela categoria, que através da luta sindical, greves, mobilizações sempre defendeu o concurso para todas as áreas do ensino. Foram diversas denúncias ao Ministério Público, campanhas alertando sobre os problemas da municipalização, alertas quanto ao número excessivo de ACTs e principalmente uma exigência do SINTE nas mesas de negociações como Governo.

Apesar da abertura do edital, que com certeza é imprescindível, visto a necessidade da contratação de professores, não foram abertas vagas para assistentes técnico-pedagógico, assistente de educação e especialistas, cargos estes, também essenciais para o bom andamento das atividades de suporte pedagógico nas escolas. A posição do Sindicato é de que continuaremos cobrando do Governo a abertura de vagas também para esses cargos.

Saiba mais sobre a inscrição do Concurso Público:

a) acessar o site www.acafe.org.br e o link INSCRIÇÃO ON-LINE, no período do dia 07 de agosto de 2012 até as 15h00min do dia 05 de setembro de 2012, e preencher o Requerimento de Inscrição, conforme instruções contidas na página, declarando, sob as penas da lei, que preenche os requisitos indispensáveis para posse e exercício no cargo de professor e demais normas e condições estabelecidas do edital;

b) imprimir o Requerimento de Inscrição e a Guia DARE-SC;

c) providenciar o pagamento da inscrição através da Guia DARE-SC, em favor da Secretaria de Estado da Educação até o dia 05 de setembro de 2012, último dia previsto para pagamento da inscrição. O pagamento, observado os respectivos horários de atendimento externo, poderá ser efetuado: no Banco 7 do Brasil, Brasil, Bradesco, Santander, Itaú, Unibanco, CEF, Bancoob - SICOOB, em casas lotéricas, terminais de autoatendimento ou via internet.

Acesse o edital: http://www.sed.sc.gov.br/secretaria/documentos/cat_view/337-concurso-ingresso-2012-magisterio

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Nota do SINTE a Imprensa, Magistério e Sociedade

O SINTE/SC vem através dessa nota, tornar público a postura do Governo nas negociações com os trabalhadores da educação de Santa Catarina. Desde o início, com a suspensão da greve, o SINTE adotou uma posição de seriedade frente às mesas de negociações com o CONER, enquanto que o Estado usou da “enrolação” para ganhar tempo, distrair a categoria. Nesse meio tempo, O Grupo Gestor do Governo planejava e aprovava a Resolução 008/12, que dispõe sobre a contenção de despesas do Estado.

É claro que a educação não ficaria de fora destes cortes, inclusive sendo tratada como principal responsável pelos altos gastos do Governo, pois foram obrigados a fazer o reajuste do Piso Nacional, mas que reajuste? Se até agora o SINTE espera a proposta do Governo dos 22% para todos e na carreira do magistério. O Governo apresenta esta resolução em meio a contradições, anuncia investimentos bilionários em todo o Estado, ao mesmo tempo, corta os direitos históricos conquistados pelos trabalhadores.

Os professores/as estão sendo tratadas com total desrespeito por parte desse Governo com relação ao corte das licenças-prêmio. Tomar essas medidas após licenças terem sido concedidas, chamar os ACTs, para depois voltar atrás, cancelando as licenças, e somente pela pressão da categoria conceder apenas 30 dias, é falta de consideração com esses profissionais. Da mesma forma é o tratamento dado ao efetivo. A posição do SINTE é pela retirada da resolução 008/12.

Queremos que o Governo cumpra com o que prometeu em relação a devolução dos descontos na folha de pagamento dos grevistas, e deposite imediatamente os valores devidos, pois já foi informado que a grande maioria dos professores repuseram todas as faltas.

Com relação à descompactação da tabela e o pagamento do reajuste do Piso Nacional para todos, o SINTE afirma que, continua esperando a proposta do Governo, que insiste em cancelar reuniões e não apresentar sua posição, para que os trabalhadores possam avaliar em assembleia e deliberar sobre a mesma.