Sinte - Regional de Joinville

Sinte - Regional de Joinville

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Calendário da regional de Joinville

- 24/4: Reunião de Representantes de Escola
- Entre 24/4 e 27/4: mutirão de panfletagem em vários pontos da cidade para dialogarmos com a comunidade. 
Dia 24/4, 17h região do aventureiro.
Dia 25/4, 17h região do Vila Nova.
Dia 26/4, 17h região do Adhemar Garcia.
Dia 27/4, 17h região Central ou região do Itinga.
- Dia 28/4: assembleia às 8h e ato às 10h junto com as demais categorias.

Executiva Estadual do Sinte/SC rompe com a base e cancela assembleia

Em nota divulgada no dia 19/4, a executiva estadual do Sinte/SC cancelou unilateralmente a assembleia estadual marcada pela categoria para acontecer no dia 28/4, data em que está deliberado o início da greve do magistério catarinense por tempo indeterminado. Na nota, a greve por tempo indeterminado foi ignorada. Nós, da regional de Joinville, exigimos publicamente esclarecimento da direção estadual: é o cancelamento da greve por tempo indeterminado a partir do dia 28?

A partir de uma decisão de gabinete, o Sinte Estadual passa por cima da deliberação das centenas de trabalhadores em educação que estiveram presentes nas últimas assembleias estaduais e votaram o calendário de lutas que previa a realização da assembleia estadual no início da greve, bem como dos encaminhamentos votados na reunião do Conselho Deliberativo realizado em março deste ano.

A Estadual justifica que esta medida – criminosa, do ponto de vista da organização da categoria, pois fere de morte a democracia interna do sindicato – vem ao encontro de construir uma grande paralisação nacional e que realizar uma assembleia neste dia “poderia ser desmobilizador”.

É importante frisar que, nessa mesma nota emitida pela estadual, o encaminhamento de greve por tempo indeterminado a partir do dia 28/3, votado pela categoria na última assembleia, foi amenizado para “paralisação de todas as escolas”, “dia de luta e unificação”. Esta é uma manobra que precisa ser denunciada, pois ela expressa as artimanhas das direções sindicais engessadas, burocratizadas e adaptadas em frear a organização efetiva de todos os trabalhadores para construir a greve na base, tão necessária para os trabalhadores em educação de SC frente aos ataques que estamos sofrendo tanto pelo governo de Temer quanto de Colombo.

A regional de Joinville reitera a posição que tem defendido nas últimas assembleias e reuniões de Conselho Deliberativo: somente uma greve geral, com unidade organização e luta, pode barrar tamanhos ataques que a classe trabalhadora e a juventude estão sofrendo. No entanto, uma greve geral não se constrói com decisões de gabinete, como o quis a CNTE e a executiva estadual ao tentar empurrar goela abaixo do magistério catarinense uma greve em 15/3 com menos de 1% da categoria. Greve geral não se constrói passando por cima das decisões da base tiradas em assembleia, como fez agora a direção estadual do Sinte/SC, ignorando uma das instâncias mais importantes de sua estrutura que são as deliberações de assembleia.

A direção regional do Sinte em Joinville repudia a decisão da estadual. Continuaremos o nosso combate para alertar cada trabalhador, em cada uma das escolas da nossa regional, sobre os perigos que toda a classe trabalhadora e a juventude estão correndo nesse momento em que os governos não medem esforços para destruir direitos historicamente conquistados. Não mediremos esforços para mobilizar a categoria para juntar-se aos demais trabalhadores em 28/4 no ato em que se realizará em Joinville, às 10h, em frente à Prefeitura Municipal. Diante desta manobra da direção estadual do Sinte/SC, a regional de Joinville convoca, neste mesmo dia, uma Assembleia Regional às 8h, no auditório do Sinsej, na Rua Lages.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Esclarecimento da Regional de Joinville sobre o adicional noturno

A Diretoria Estadual do Sinte, através da assessoria jurídica, lançou nota no site da entidade a respeito da possibilidade de pagamento de adicional noturno aos professores que trabalham após as 22h.

Na nota, orienta os trabalhadores que se encaixam neste perfil a reunir a documentação necessária para a propositura de ação judicial visando o pagamento das verbas relativas aos últimos cinco anos.

A Regional de Joinville endossa parcialmente o comunicado. A burocracia necessária para que seja dada entrada na ação proposta pela executiva Estadual inviabiliza o processo – por exemplo, o professor prejudicado terá que reunir cópias do livro ponto dos últimos cinco anos de trabalho.

Dada a solicitação de vários servidores, são necessários alguns esclarecimentos.

Apesar de previsto no Estatuto dos Servidores Públicos Estaduais (Lei Estadual n. 6.745 /85), o benefício não está previsto no Plano de Carreira do Magistério (Lei Estadual n. 6.844/86). Por esta razão, o Governo nega o pagamento do adicional, ou seja, por falta de vontade política, não estende o benefício aos trabalhadores do magistério.

Para a Regional de Joinville é fundamental que o direito ao adicional noturno seja imediatamente incluído na pauta de reivindicações de 2017, para que faça parte do conjunto de demandas desta campanha salarial. Precisamos pressionar o Sinte Estadual para que uma Campanha Salarial séria seja organizada, algo que todas as categorias fazem anualmente.
Esclarecemos que, pelo que se extrai da nota, estas ações possuem caráter individual e, mesmo após anos de trâmite judicial, não visam garantir o direito ao conjunto da categoria, mas somente aos que ingressaram com os pedidos.

Por último, frisamos que a partir do dia 28/04 a categoria entra em greve e é nesse movimento que podemos garantir a concessão deste benefício ao conjunto dos trabalhadores em educação. Somente com nossa unidade, organização e luta que podemos conquistar, defender e ampliar nossos direitos.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Gerência nega ponto facultativo em Joinville

O dia 13 de abril será uma quinta-feira, decretado como ponto facultativo pelo governador do Estado. No dia 10/4, a supervisora de gestão escolar da gerência de Joinville, Rosemari Conti Gonçalves, de forma arbitrária, enviou comunicado a todas as escolas, cancelando o ponto facultativo. Ela alega ser “do conhecimento de todos, desde o ano passado, que o dia 13/4 é dia letivo...”, apesar do decreto emitido pelo governo estadual.

Com isso, a gerente de educação quebra a isonomia dos trabalhadores de educação de Santa Catarina, pois tenta impor que nossa regional trabalhe sem a garantia do vale-alimentação e de vale-transporte para os estudantes.

A Gerência ignora, ainda, que a única especificidade que o calendário tem é o número de dias letivos, sendo que o cumprimento e organização são de responsabilidade das unidades escolares.

O pedido de concessão do ponto facultativo, feito na sexta (7/4) à gerência, continua sem resposta. Na tentativa de negociar a questão, o Sinte/Joinville também protocolou um ofício no dia 11/4 para se reunir com a gerente de educação, Lorena Rothbarth, mas o pedido foi negado. Além disso, a regional de Joinville aguarda um encaminhamento da direção estadual do sindicato, já que a questão é coletiva da categoria.

A orientação da regional, neste sentido, é que a unidade escolar garanta o ponto facultativo desde que cumpra os dias letivos.

A ação da gerente de educação é um ato de desvalorização e desrespeito aos trabalhadores em educação. Devemos responder com nossa organização e defesa de nossos direitos.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Construir a greve geral. Mas não nos gabinetes


Este foi o encaminhamento defendido pelo Sinte/Joinville na assembleia estadual, realizada no dia 28/03, em Florianópolis. Além disso, a regional apresentou pautas específicas da categoria, como a aplicação do piso nacional, a equiparação do valor do vale-alimentação ao valor aplicado no judiciário, a equiparação de salários entre ACTs e efetivos, concurso público para efetivar os ACTs, entre outros.

Neste dia, os trabalhadores em educação de Santa Catarina decidiram entrar em greve por tempo indeterminado, a partir do dia 28 de abril, para derrubar as reformas dos governos federal e estadual que retiram direitos dos trabalhadores.

A regional de Joinville continuará com os roteiros de mobilização na construção da greve geral.