Sinte - Regional de Joinville

Sinte - Regional de Joinville

domingo, 5 de junho de 2011

Greve – prática pra aplicação da teoria

Professora Daiane Besen
Município de Garuva

A greve que vem construindo dias melhores no país inteiro está sendo feita por profissionais engajados e detentores de conhecimento, com falas claras que demonstram a atual situação da educação brasileira. Se alguém acha que estas são falas antigas, talvez seja porque o descaso com a educação junte velhos com novos problemas. Estes guerreiros educacionais estão lutando unidos e não com conversas indignadas e soltas pelos corredores, mas juntando suas vozes para um grito mais alto, que possa atingir toda a sociedade. A escola não se faz no isolamento, trabalhamos com a matéria mais maravilhosa do universo, com a vida, portanto envolvemos toda a sociedade em nosso trabalho.


Uma greve histórica, onde unida a classe dos professores defende o que mais ama, sua profissão, busca sua satisfação profissional e a justiça. A pauta de reivindicações desta greve vai além do Piso Salarial, alguém que queira falar criticamente sobre este movimento, deve no mínimo ter amplo conhecimento do que está ocorrendo, estar informado dos motivos que movem a maioria dos profissionais em educação a cruzarem seus braços.

As negociações para a aplicação do piso caminham a passos largos, pois, sindicato e professores, estão informados e não sentem medo de lutar pelo que é justo. Sabemos questionar, buscamos as fontes, não somos uma classe sem informação e conhecimento de causa. Por estes motivos mostramos que nossa força é enorme. Outro diferencial desta greve é o apoio da comunidade. Ficamos satisfeitos por haverem dúvidas, críticas, elogios e uma diversidade de opiniões, já que o mundo não deve ser construído com cabeças iguais, bovinamente marcadas. Por este motivo recebemos com o peito aberto às dúvidas para poder esclarecer e dialogar com a comunidade.

Infelizmente, nobres colegas, este meu texto não vai mudar a realidade. Nunca um texto meu mudará a realidade e fico feliz por isto. A história não é individual, é coletiva, é feita de atos que convergem, pois o que é feito no isolamento costuma ser ditado, eis que não quero ditar nada à sociedade. Portanto, este texto junta-se a outros tantos, com falas parecidas ou que questionam a minha posição, isto sim, o coletivo mudará a realidade.

Hoje vejo a história acontecer. Posso dizer que em um sentido a greve já foi ganha, no sentido da união de uma categoria, no mostrar ao governo o quanto a população é forte e luta pelos seus direitos. Quem não acha um ganho a união de classes não deve acreditar na democracia, na liberdade. Muito está sendo construído, as conquistas aparecem diariamente, nem todas são conquistas financeiras, são também conquistas humanas. É olhar para alguém e ver que não está sozinho, saber que você que cruzou os braços é “um” e não “mais um”, é alguém que faz a diferença, é sentir-se importante, é sentir-se educador da prática.

Quanto ao governo, infelizmente não posso falar em nome Dele, quisera eu poder assinar a lei do piso com as correções que já deveriam ter sido feitas desde o ano de 2008 e aplicá-las ao plano de carreira dos meus colegas. Pudera eu abrir um edital de concurso público, ou quem sabe dizer aos colegas grevistas do ano de 2008 que suas faltas foram revistas. Dizer para as merendeiras que ficaram sem alternativa com a terceirização das cozinhas, que elas podem voltar a realizar seu trabalho como antigamente. Ah! Se eu pudesse oferecer uma qualidade de trabalho aos meus colegas, uma escola com as mínimas condições à todos os alunos, quisera eu resolver todos os problemas do mundo. Isso não é possível, pois a vida não se constrói sozinha, são essas dificuldades que alimentam nossa vida e nossos instintos mais primitivos de lutar para conquistar o que queremos. O que vejo é um novo começo, que aponta para uma mudança de mentalidades, agora é a hora da educação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário